postado por Rafaella Silveira no dia 17.02 arquivado em #beyoncé

Recentemente, Myles E. Johnson escreveu uma matéria com o título ‘O que a Beyoncé ganhou foi maior que um Grammy’ na sessão de opiniões no jornal mais importante do mundo The New York Times e, como forma de agradecimento, Beyoncé o enviou flores.

Confira nossa tradução deste maravilhoso artigo a seguir:

Os negros têm grande imaginação, não apenas nas artes, mas na vida cotidiana. Nós nos imaginávamos como família, quando fomos tratados como propriedade. Imaginamos equidade e liberdade, quando raramente experimentamos isso. Imaginamos um Deus generoso e amoroso quando, muitas vezes, parece que existe um Deus que não ama as pessoas negras tanto quanto nós o amamos nas manhãs de domingo.

Em sua performance no Grammy, que teve pessoas em todo o país falando disso a noite toda de domingo e segunda-feira, Beyoncé mostrou sua imaginação. Ela se apropriou das imagens europeias da Virgem e conjurou outras imagens de Orixás africanos como Oxum. Ela comemorou sua gravidez e reuniu inúmeras mulheres negras no palco com poemas de Warsan Shire que preenchiam o ar. A performance terminou com muitas mãos negras saudando Beyoncé, enquanto ela sorria para a câmera como uma Mona Lisa negra. Não era apenas o sorriso de uma artista satisfeita, mas o sorriso de alguém que sabia que tinha acabado de ganhar.

Quando o Grammy de Álbum do Ano foi concedido a Adele, fiquei surpreso que tantas pessoas ficaram desapontadas. Pensei em minha mãe que me falava inúmeras vezes que eu deveria trabalhar duro duas vezes mais para conseguir metade do que um branco receberia. Pensei nas observações francas de Beyoncé sobre perder o show popular de competição de talentos Star Search, que poderia ter dado a ela seu estrelato mainstream quando ela ainda era uma criança.

“Você pode realmente trabalhar super duro e dar tudo o que você tem, e perder. Foi a melhor mensagem para mim”, disse ela. “A realidade é que, às vezes, você perde. E você nunca é bom demais para perder. Você nunca é grande demais para perder. Você nunca é inteligente demais para perder. Acontece e acontece quando precisa acontecer.”

Os negros que fazem trabalhos transgressivos ou radicais devem redefinir e re-imaginar o que é ganhar numa cultura capitalista de supremacia branca. A indústria da música é largamente dirigida por homens brancos, e são eles que decidem quais artistas, gêneros e tópicos devem ser validados e financiados e, quais devem ser apagados ou alterados.

Trabalho que recebe financiamento e apoio é muitas vezes trabalho que atende uma audiência branca. Se você criar um trabalho que não se atenta a isso, você não está simplesmente criando um produto arriscado, você está se posicionando como um oponente às instituições brancas e aos modelos de negócios.

Se você é uma pessoa negra que não tenta ser palatável para uma audiência branca, mas ao invés disso se concentra na própria cultura e experiência, isso é visto como um ato transgressivo. Se você é uma mulher que não tenta fazer um trabalho que é atraente para o público masculino, isso também é visto como um ato transgressivo.

Ser premiado por sua arte é legal, mas quando você centra pensamentos femininos negros e estética radicais como Beyoncé fez com Lemonade, você não vai ser recompensado pelo mesmo sistema que você está subvertendo.

Lemonade não traduziu feminilidade negra para uma audiência branca. Lemonade contou uma história sobre uma mulher negra a outras mulheres negras, e não explicou essas experiências para deixar pessoas brancas mais confortáveis.

Historicamente, a brancura não recompensa a provocação negra. Certamente sabemos que uma cultura que esqueceu Zora Neale Hurston, até que Alice Walker a devolveu a glória em seu trabalho, não recompensaria Beyoncé. A cultura americana tem castigado os negros que fazem um trabalho que explora as narrativas negras sem considerar o olhar de um consumidor branco. Certamente sabemos que uma cultura que esqueceu a diretora Julie Dash (Daughters of the Dust), antes de Beyoncé preservar suas imagens em Lemonade, não recompensaria Beyoncé.

E eu suspeito que nós sabemos que uma pessoa negra radical nunca será recompensada se houver opções mais seguras, mais brancas, mais apolíticas. Beyoncé não perdeu; ela foi punida por uma imaginação feminista negra radical que era mais do que os brancos na indústria da música conseguiriam lidar, ou estavam interessados em consumir. Ela não iria receber um prêmio por um álbum que os jurados brancos do Grammy não poderiam cantar junto.

Momentos após o término do Grammy, DJ Khaled lançou uma música chamada “Shining”, com participações de Beyoncé e Jay-Z. Nela, Beyoncé canta, “Tudo isso ganhando. Eu estive perdendo a cabeça.” Ouvindo essas palavras, lembro-me do discurso de Beyoncé para o prêmio de Melhor Álbum Urbano Contemporâneo, entregue muito antes do Álbum do Ano ter sido anunciado. Foi um discurso que Beyoncé provavelmente teria guardado se acreditasse que tinha alguma chance de lutar para ganhar o maior prêmio da noite. Foi um discurso que foi lido como a tese final do Lemonade, e como um comentário sociopolítico sobre sua intenção artística e o status do mundo.

“Minha intenção para o filme e álbum era criar um corpo de trabalho que daria voz para sua dor, nossas lutas, nossas trevas e nossa história”, disse ela. “É importante pra mim mostrar imagens aos meus filhos que refletem sua beleza, para que eles possam crescer em um mundo onde eles se olham no espelho, primeiro através da própria família — bem como no noticiário, no Super Bowl, nas Olimpíadas, na Casa Branca e no Grammys — e vejam a si mesmos.” Beyoncé leu estas palavras e sorriu. Ela sabia como essas coisas funcionam. Talvez ela já tivesse reimaginado ter ganho para si mesma como uma mulher negra. Talvez ela soubesse que a vitória estava no fato de que quando todos os olhos estavam voltados pra ela, ela decidiu não tornar-se mais palatável para os espectadores brancos. Em vez disso, ela deixou sua imaginação servir seus objetivos, sua filha e sua comunidade.

Ao fazer isso, ela mudou a vida de inúmeros espectadores negros e subverteu uma tradição há muito tempo dominada por executivos brancos e gosto branco. Essa é uma vitória que não se coloca em uma prateleira. É uma vitória que uma artista pode desfrutar pelo resto de sua carreira, sabendo que sua arte mudou o mundo.


Deixe seu comentário
Beyoncé Brasil Todos os direitos reservados