postado por Rafaella Silveira no dia 15.02 arquivado em #beyoncé

A performance de Beyoncé no Grammy Awards 2017 trouxe muito mais reflexões do que o esperado. A trajetória dessa cantora, além de construir seu legado, vem consolidando importantes aprendizados e lições para as novas gerações. A bandeira que Beyoncé vem levantando, utilizando-se de sua influência global, vem se tornando forte e notável.

Após “revelar-se” negra no álbum visual, Beyoncé revela-se mulher. Embora tenha trabalhado sua sensualidade e poder feminino a carreira toda, e ter curtido sua primeira maternidade em 2011/2012, ela agora mergulha no conceito do sagrado feminino.

Como uma Virgem Maria (nada mais justo, uma vez que já foi diva, rainha, agora só resta ser deusa), ela expõe um barrigão e faz uma performance inteira cultuando o que uma vez, num passado distante, antes desse câncer chamado patriarcado instaurar-se e deturpar nossas mentes, já havia sido considerado divino: o poder da mulher de gerar vida.

Falar de uma artista tão completa e perfeccionista como a Beyoncé é difícil, pois cada um pode interpretar suas apresentações de uma forma diferente.

Com foco em Oxum, Orixá da fertilidade e do amor, Beyoncé pede por proteção, já que a deusa africana é também a protetora das gestantes. Ela que sofreu aborto espontâneo antes de conceber Blue Ivy, hoje encontra-se grávida de gêmeos e está partilhando dessa gratidão.

Ao mesmo tempo em que retrata uma ancestral divinizada africana, Beyoncé com adorno na cabeça lembra as santas católicas, fazendo referência a Nossa Senhora Aparecida, que em religiões afrodescendentes é representada por Oxum.

Enquanto os visuais exibem Beyoncé com uma auréola e mulheres se aproximam, é narrado “Sua mãe é uma mulher e mulheres como ela não podem ser contidas”, fazendo relação com os dizeres ‘incontida e devoção’ no vestido dela, mencionando que assim como a mãe Tina, Beyoncé também é devota e poderosa, capaz de reunir várias mulheres empoderadas, retratando a força e união do sexo feminino.

Ainda sobre o vestido, no centro da barriga há um medalhão com o retrato formado à semelhança de Beyoncé, acompanhada por dois querubins vestidos com uma planta trepadeira, chamada ivy, em inglês. Então, sim, basicamente é um retrato da família bordado na frente do vestido.

Além disso, Peter Dundas, o estilista, inspirou-se nas criações simbolistas do pintor austríaco Gustav Klimt e nos motivos art déco do francês Erté.

A santa ceia também foi retratada na performance, mas diferente de tudo que já vimos, ela foi composta integralmente por mulheres, trazendo a questão do feminismo à tona em mais um trabalho.

Portanto, concluímos que o sincretismo se faz presente nessa apresentação. É por essas e outras que Beyoncé é tão completa e considerada a mais influente da atualidade. Não trata-se apenas de uma apresentação, é A apresentação. E quanto mais a gente procura, mais a gente encontra. Ela consegue trabalhar a semiótica como ninguém mais.

Numa análise histórica, a mulher foi uma vez cultuada, sendo considerada imagem divina, até que surge o patriarcado e transforma a mulher em algo subjugado, bem como a gravidez uma fraqueza, algo a se envergonhar; prova disso é hoje em dia quererem pagar menos a uma mulher por ela engravidar, e por isso “produzir menos” ou ainda a ridícula lei que tramita no Congresso Nacional que proíbe a amamentação em público, em nome do ‘pudor social’.

Ignorando a cobrança por artistas padronizadas, hiperssexualizadas, que cativem o público com seu rebolado (o que ela faz e muito bem), Beyoncé simplesmente cantou e mostrou o quão dona do seu corpo e de si mesma ela é. Sem vergonha por ter um barrigão, sem pudor de suas novas curvas, Beyoncé pisa naquilo que o machismo, principal ferramenta do sistema patriarcal, vem construindo nos últimos milênios.

Pois é, por descuido ou menosprezo do sistema opressor, permitiu-se que uma das maiores artistas de nossa geração fosse uma mulher negra. Agora, a principal consequência disso será sentida pela estrutura: o empoderamento das massas! Bom saber que temos na praça artistas que, além de nos entreter, problematizam e trazem ensinamentos para as novas gerações. Que mais pessoas se abram para esse novo evangelho. Amém, santa Beyoncé!

Esse texto teve colaboração de Ian Melo e Taís Santos.


Deixe seu comentário
Beyoncé Brasil Todos os direitos reservados